quarta-feira, 22 de julho de 2009

Meu bichinho de estimação....rs....

Gente, descobri hoje que tenho um bichinho de estimação...rs...
Apareceu aqui em casa um lagartixinha, fui olhar minhas plantinhas lá na área de serviço e levei um susto, vi um vulto passando atrás dos vasos...era ela se escondendo de mim.
É claro que eu preferia ter um cachorrinho, mas infelizmente meu pai não quer de jeito nenhum um novo bichinho...Tínhamos duas cadelas Bichon Frisé, já que não tenho fotos do(a) novo(a) morador(a) da minha casa colocarei fotos e contarei rapidamente a história das minhas cachorrinhas tão queridas...

Essa era a Anasha, minha fofuxa, nasceu na casa da minha vizinha, foi a única q nasceu sozinha, o filhotinho que veio depois dela ficou entalado, a mãe dela teve que fazer cesariana para poder tirar os outros filhotinhos. Meu pai foi lá no apartamento da Célia para ajudar e a Anasha nasceu na mão dele. Aí a Célia nos deu a Anasha, eu e meu irmão vivíamos tocando a campainha da casa dela pra pedir pra brincar com a Peggy (não lembro mais como escrevia o nome dela).

Depois que ganhamos a Naná as portas dos apartamentos ficavam um bom tempo abertas para mãe e filha brincarem juntas... era uma farra....corriam de um apartamento pro outro....

Aí a Célia se mudou, a Anasha já estava crescidinha e teve uma cria, o que fizemos, ficamos com uma filhotinha, a Layka, assim a Naná não ficava mais sozinha...tinha uma companheirinha inseparável...Elas andavam pela casa toda atrás da minha mãe, que era a pessoa que mais ficava em casa, pareciam “os sombras”...rs...

Enfim, as duas viveram bastante, a Anasha viveu 13 anos, só não viveu mais porque teve um tumor na mama, sofreu bastante tadinha. A layka bateu vários recordes... Ficou velhinha, cardíaca, surda e ceguinha, mas foi firme e forte até os 17 anos.

A Layka também teve seus filhotinhos e nós demos uma fêmea para a minha avó, que já estava começando a ficar com Ahlzeimer e achamos que seria bom pra ela ter uma cachorrinha. Quando íamos pra casa da vovó sempre levávamos as duas e era uma festa... Imaginem, três cachorrinhas correndo pra tudo quanto é lado....Espoletas...

Eu sou louca para ter outro cachorrinho, mas como disse anteriormente, meu pai não quer... Já falei pra ele que quero um cachorrinho menor, que não vai dar trabalho e que vai ser bom pra mim, já que eu fico muito tempo sozinha em casa. Já falei que vou cuidar com todo carinho e ele não vai ter trabalho nenhum, só dar carinho pra bichinha (bichinha porque quero que seja uma fêmea – pra botar lacinho, roupinhas e etc...).

Acho que esse é o primeiro post que eu escrevo tanto...Escrevi tanto que a parte da lagartixa ficou até sem graça...rs...desculpa lagartixa...Tenho tantas historias pra contar delas, afinal, foram muitos anos de convivência...

Agora vêm as fotos:

Anasha com alguns meses, reparem no pompom em cima da casinha que ela ganhou, adivinha quanto tempo durou isso em cima da casinha...ela nao sossegou enquanto nao arrancou....kkkkkkkk


Ela teve bebês lindos e fofinhos, eles aprenderam rapidinho que tinham que fazer xixi no jornal, eles saiam do espaço deles pra fazer no jornal que ficava espalhado por toda a volta do "ninho".


Aqui são eles maiorzinhos aprontando na sala, nos dias de calor, derramavam toda a agua do potinho, se refrescavam no meio da sala de estar aqui de casa.


Ai ficamos com a Layka, ela é a fofura do lado esquerdo, dá pra reparar pelo pêlo de bebê.


Mesmo depois que a Célia mudou, nós sempre iamos visitá-los, ai aparece minha mãe com a Peggy, a Layka e a Anasha. Reparem como fica o pêlo de um bicho tão branquinho quando ele mora em uma casa.


Aqui são as 3 gerações, Layka, Petty e Anasha (lembram que eu falei que demos uma filhotinha pra minha avó né? É essa ai do meio, a Petty


Mais uma vez as três fofuras...a escadinha das gerações - Petty, Layka e Anasha


Essa é uma foto que tirei naquelas máquinas antigas, isso foi num momento de correria dela pela casa e eu registrei mas achei que nem fosse sair a cara dela